quinta-feira, maio 04, 2006

Tema para o Seminário


Sociedade e Tecnologia: Para quando a "Casa do Futuro"?

Escolhi este tema já há algum tempo quando vi uma pequena notícia sobre a "Casa do Futuro". Pensei em como, actualmente, existe uma clara tendência para o envelhecimento e para o aumento da qualidade de vida nas sociedades mais modernas. É, portanto, cada vez mais próxima a ideia de um aumento do uso de tecnologia a nível doméstico, não só por causa da vaga implementada a nível nacional do "Choque Tecnológico" mas também pela evolução dos meios tecnológicos e do seu destaque na Agenda Internacional (em assuntos como a Infoexclusão, a insegurança com o Terrorismo, entre outros).

Em termos mais específicos, encontramos como matérias fortes da "Casa do Futuro", a Inclusão das pessoas com deficiências e a camada mais idosa da população. Pretendo focar o mundo que está em permanente mudança, a velocidade dos ciclos tecnológicos, a interactividade, entre outros assuntos mencionados ao longo das aulas.

A "Casa do Futuro" constitui-se num interessante desafio para a Humanidade, pois vem modificar o sistema organizacional da sociedade e ao mesmo tempo acompanhar as mudanças tecnológicas e sociais.
Não pretendendo uma mera descrição da Casa do Futuro; a apresentação deste seminário visará apurar em que medida é que a "Casa do Futuro" é um reflexo das alterações sociais e das necessidades da sociedade em si.

Espero conseguir concretizar estes objectivos e levar o seminário a bom porto!

P.S.: Para quem estiver interessado em dar uma olhadela ao projecto "Casa do Futuro", clique aqui!

Digitally Yours, SICCC

4 comentários:

Kukka disse...

Há relativamente pouco tempo vi no canal Odisseia (se não estou em erro) uma reportagem sobre a casa do futuro! Tal como aquelas que estudámos no 1º semestre...
Fiquei de veras impressionada, uma coisa é a teoria, outra é vermos com os nossos próprios olhos (ainda que através de um televisor) a dita casa com inteligência ambiental!
O tema é bastante interessante!

deixo-te aqui 2 sites em português sobre o assunto! espero que sirvam apra alguma coisa =)

http://casadofuturo.weblog.com.pt/
http://www.egi.ua.pt/casadofuturo/

patycunha disse...

Bem...acho bastante curioso porque se estas lembrada nós fizemos um trabalho em Estrutura no semestre passado sobre inteligência ambiental, e a casa do futuro apresentada era fantástica e a realidade envolvente também era algo que é díficil de pensar nela como um futuro próximo. Fizes-te uma boa escolha.

Miriam_Folque disse...

Olá.
Não esperes um comentário lógico e linear. Decidi assumir a postura exploratória de McLuhan. :P

Fiquei muito curiosa sobre a abordagem que darás a este tema.
Estava aqui a pensar como é interessante darmo-nos conta que a nossa sociedade, mais especificamente as "nossas casas" (ou pelo menos as de uma maioria)são o futuro e a concretização de muitas aspirações de sociedades passadas vulgo gerações.
Usufruimos e temos ao dispor as mais vastas inovações tecnológicas (cujo lançamento comercial muitas vez não terá correspondência ao tempo da sua materialização), acessíveis aos mais diversos preços, desde a integração entre a telefonia móvel e fixa, passando pela televisão interactiva, pela proliferação dos computadores e da conexão à rede, ao aspirador e ao micro-ondas que desempenham uma enorme variedade de tarefas domésticas, bem como os estores eléctricos ou o aquecimento central...Estes exemplos quase caricaturais pertencem à nossa realidade presente, ao nosso contexto directo ou indirecto, nem que seja por intermédio da nossa retina (isto é, sabemos que existe ainda que o seu acesso nos possa ser financeiramente vedados). Não sei até que ponto teremos noção da evolução das ferramentas que dispomos diariamente, o uso diário e continuado tende a banalizar esse aspecto. E também começo a acreditar (perdoa o meu cepticismo)que já não vivemos muito na ânsia da descoberta, da inovação, do fascínio, pelo menos com a mesma intensidade aquando o incremento do chocolate "Mars" no mercado (pareço os meus avós a falar...). Mas o que de facto e na realidade pretendo transmitir, é que a novidade, a inovação, o progresso e a actualização dos instrumentos, já são encarados como exigências e como "dados adquiridos".
Bem, agora que penso, não creio ser um comportamento natural humano interrogarmo-nos sobre o aparecimento das coisas de que auferimos diariamente, limitamo-nos a tirar partido destas. Nem penso que fosse uma atitude muito saudável e humanamente comportável filosofarmos sobre a origem de cada técnica ou instrumento, apesar de, academicamente falando, se revelar um imperativo.

Não querendo dispersar muito (mais do que já o terei feito), pareceu-me louvável a abordagem das tecnologias, que mencionaste, ao serviço de indivíduos com necessidades especiais,ligadas à mobilidade, à cognição, à visão, aos constrangimentos que advêm do envelhecimento, etc., e que se apresentam como uma solução complexa e promissora de automação doméstica.

Após ter terminado "agora" de conversar com a professora, que me ajudou a ir mais além à leitura que fiz, (envergonho-me por não ter atingido o real alcance da tua mensagem), vou arriscar a partilhar a ideia-chave de um segunda leitura...Penso que o objectivo do teu seminário será o de nos levar a questionar até que ponto a "Casa" dita do "Futuro", ou as nossas "actuais" casas não serão sintomáticas da sociedade em que vivemos, já não reflectem ou reflectirão os valores, as necessidades futuras e decorrentes e a "reestruturação" evolutiva sócio-cultural (a questão da composição familiar, das relações interpessoais, a "proximidade distante", os novos modelos de interacção, muitas vezes impostos pelo ritmo vertiginoso...) Será interessante abordares, numa perspectiva hermenêutica, as tecnologias nas nossas vidas...

Se tiver, uma vez mais, "batido ao lado", tenho a certeza que me elucidarás aquando a tua apresentação, em que a minha presença estará garantida. :)

NinaDarkAngel disse...

Obrigada pelo retorno tão rápido :)

espero conseguir estar à altura das vossas expectativas.

No entanto, não contem com grandes efeitos especiais lol, como disse, não quero prender-me a uma mera descrição da "Casa do Futuro".

bj